segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Ordem à partir do Caos

 


Quando uma manifestação de grandes proporções acontece (ou quando a elite fabrica a manifestação), é possível que ela a use a seu próprio favor. O lema Ordo Ad Chao, que significa "Ordem à partir do Caos", é bastante comum nesse tipo de contexto. De tempos em tempos, situações caóticas são "permitidas" - se não totalmente fabricadas - pela elite, a fim de criar medo, pânico e revolta entre a população geral. As massas desesperadas, em seguida, pedem aos governantes por uma intervenção e uma solução rápida. O resultado dessas intervenções é quase inequivocamente o mesmo: a introdução de regras e regulamentos prejudicando o cidadão comum, dando mais poderes (antidemocráticos) para a elite. Nos dias que se seguem, todos os meios de comunicação constantemente lembram a população dessa situação particular. Esse martelar constante torna a situação insuportável por parte da população, que não aguenta mais ouvir sobre isso continuamente na televisão e ler sobre isso nos jornais e na internet. Depois de um tempo, o telespectador vai querer apenas uma coisa: que isso acabe logo. Depois que o problema se arrasta por muito tempo, os meios de comunicação apresentam uma ou várias soluções. Não compreendendo plenamente essa solução, mas cansada e aborrecida, a maioria das pessoas pensa: "Bem, se isso é o que é preciso para que eles calem a boca e falem de outra coisa, então eu concordo." Será que o governo brasileiro está usando os protestos em SP para a adoção de políticas específicas que, previsivelmente, irão contra os interesses do público em geral? Ou será ainda que os protestos em São Paulo estão sendo fabricados pelo próprio governo, além da confusão? Talvez seja verdade, e esse caos pode servir exatamente para que a classe dominante promova algumas de suas agendas. Os vários dias seguidos de noticiários na televisão de policiais afirmando terem sido agredidos por manifestantes, e os jornalistas mais influentes descrevendo o protesto como um ato de vandalismo podem ainda servir para uma outra agenda importante: a aceitação, e até mesmo as boas-vindas ao estado policial. As pessoas podem se acostumar com esse tipo de tratamento por parte da polícia. Cada dia adicional de tumulto que a televisão transmite faz com que o cidadão com menos senso crítico torne-se cada vez mais favorável ao uso de medidas drásticas por parte do governo, dizendo: "É isso mesmo que eles têm que fazer para acabar com essa bagunça!". Contra ou a Favor? Se os protestos em São Paulo trarão algum resultado positivo para a população manifestante, eu não sei. Também, ser "a favor" ou "contra" os protestos é um debate praticamente irrelevante. A coisa mais importante a considerar é o rescaldo e as mudanças que afetarão nossas nações para os próximos anos. Os protestos em SP estão servindo o interesse de alguém? Será que foi uma manobra política para justificar a repressão? Será que esses protestos poderão fazer a elite dominante querer justificar mais controle da população? Eles estão acostumando os nossos olhos com o estado policial? Não se surpreenda se, em um futuro próximo, você encontrar a notícia de agentes sendo contratados para incitar violência aparecer no noticiário. Violência justifica a repressão. Em outras palavras, a elite precisa da violência para fazer suas políticas aceitáveis. Então, cuidado com esses protestos! Mais alguns dias de "confusão" e a população estará pronta para concordar com o governo usando táticas normalmente utilizadas em países opressivos do terceiro mundo. Pelo menos é sabido que essa é uma de suas agendas.

Nenhum comentário:

Os Direitos Humanos na perspectiva bíblica

Temos que reconhecer a dificuldade em definir exatamente o que são os direitos humanos. Alguns poderiam assumir que a noção de “direi...