terça-feira, 17 de setembro de 2013

Poderes Sobrenaturais na Grande Tribulação


Basta pensar em viver durante o traumático período denominado na Bíblia de Grande Tribulação, “um tempo de angústia, qual nunca houve, desde que houve nação até àquele tempo” (Daniel 12:1), para a maioria se sentir pelo menos desconfortável. Se não contássemos com Deus do nosso lado, a expectativa seria assustadora. Mas a questão é que, se você crê em Jesus, então tem Deus do seu lado. Saber que pode contar com o “cara mais forte do bairro” do seu lado é um alívio, mesmo que todos do lado adversário pareçam invencíveis. O Livro do Apocalipse chama o Anticristo de “a besta” e explica que “toda a terra se maravilhou, seguindo a besta, dizendo: Quem é semelhante à besta? Quem poderá batalhar contra ela?” (Apocalipse 13:3–4).



Mas as aparências muitas vezes enganam, principalmente nesse caso, quando estamos falando do maior enganador que existe, Satanás, o poder nos bastidores, e do Anticristo. Felizmente para nós, tanto Satanás quanto o Anticristo têm o seu calcanhar-de-aquiles. O destino de ambos já está selado e, no final das contas, vão perder —um fato do qual não podem fugir, por mais que tentem aparentar o contrário. A besta é lançada “no lago de fogo que arde com enxofre” (Apocalipse 19:20). O destino do Diabo é similar: é afastado primeiramente por mil anos e, depois, permanentemente (Apocalipse 20:2–3,10). Podemos, com toda certeza, nos consolar com a certeza de que no final eles perderão e nós venceremos.
Dias escuros aguardam os que crêem em Jesus e o mundo em geral, mas não ficaremos desamparados. A Bíblia deixa bem claro que receberemos muita proteção e que até as pragas e monstros horríveis descritos no Livro do Apocalipse serão usados para atormentar o Anticristo e seus seguidores, não os que amam e servem a Deus. Os seguidores de Jesus no Tempo do Fim serão protegidos milagrosamente (Apocalipse 7:2–3; 9:4).
O capítulo 11 do Apocalipse fala sobre as proezas de dois profetas de Deus que viverão no Tempo do Fim. O anjo diz a João, autor do Livro do Apocalipse: “Darei poder às minhas duas testemunhas, e profetizarão por mil duzentos e sessenta dias, vestidas de saco” (Apocalipse 11:3).

E João continua:

Estas são as duas oliveiras e os dois candeeiros que estão diante do Senhor da terra. Se alguém lhes quiser causar mal, das suas bocas sairá fogo e devorará os seus inimigos. Se alguém lhes quiser causar mal, importa que assim seja morto. Estes homens têm poder para fechar o céu, para que não chova, nos dias da sua profecia; e têm poder sobre as águas para convertê-las em sangue, e para ferir a terra com toda a sorte de pragas, quantas vezes quiserem.
Quando acabarem o seu testemunho, a besta que sobe do abismo lhes fará guerra e os vencerá e matará. E os seus corpos jazerão na praça da grande cidade, que espiritualmente se chama Sodoma e Egito, onde o seu Senhor também foi crucificado. Homens de vários povos, tribos, línguas e nações verão os seus corpos mortos por três dias e meio, e não permitirão que sejam sepultados. Os que habitam na terra se regozijarão sobre eles, e se alegrarão, e mandarão presentes uns aos outros, porque estes dois profetas tinham atormentado os que habitam sobre a terra.


 Depois daqueles três dias e meio o espírito de vida, vindo de Deus, entrou neles, e puseram-se de pé, e caiu grande temor sobre os que os viram. Então ouviram uma grande voz do céu, que lhes dizia: “Subi para aqui.” E subiram ao céu em uma nuvem, e os seus inimigos os viram. (Apocalipse 11:4–12)
O anjo, no início, está esclarecendo parte do mistério em torno de uma passagem bíblica escrita 500 anos antes, pelo profeta Zacarias:
Então perguntei ao anjo: “O que são estas duas oliveiras à direita e à esquerda do castiçal?” … Respondeu-me ele: “Não sabes o que é isto?” Eu disse: “Não, meu Senhor.” Então ele disse: Estes são os dois ungidos, que assistem diante do Senhor de toda a terra.” (Zacarias 4:11,13–14)

Ironicamente, a mãe de João uma vez perguntou a Jesus se seus filhos, Tiago e João, poderiam ter a honra de se sentarem cada um de um lado do Senhor em Seu reino:
Então se aproximou dEle a mãe dos filhos de Zebedeu, com seus filhos [João e Tiago] e, adorando-O, fez-Lhe um pedido. Perguntou Ele: Que queres? Disse ela: Concede que estes meus dois filhos se assentem, um à Tua direita e outro à Tua esquerda, no teu reino.” Jesus, porém, respondeu: “Podeis vós beber o cálice que estou para beber, [e ser batizados com o batismo com que estou para ser batizado]”? Responderam-Lhe: “Podemos.” Disse-lhes Jesus: “Na verdade bebereis o Meu cálice, mas o assentar-se à Minha direita ou à Minha esquerda não Me pertence concedê-lo. Esses lugares pertencem àqueles a quem Meu Pai os preparou.” (Mateus 20:20–23)

Como vemos, João estava finalmente aprendendo quem eram as duas pessoas que sentariam cada uma de um lado do trono de Jesus no Seu reino. Mas o mais importante, especialmente para aqueles dentre nós que possivelmente vão estar vivos na época do surgimento desses profetas, são os poderes sobrenaturais que eles manifestam. Esses dois profetas corajosamente desafiam o Anticristo e suas forças, as quais não poderão lhes causar nenhum mal até que eles terminem sua missão, a qual terá grande visibilidade e será realizada em Jerusalém, que, tudo indica, será a sede mundial do governo Anticristo.

Será que esses poderes serão limitados a esses dois emissários de Deus, ou os cristãos em 
 geral também terão uma capacidade parecida, senão idêntica, quando precisarem?

Existem precedentes bíblicos de pessoas que foram dotadas com poderes especiais quando necessário. Deus substanciou as advertências de Moisés aos egípcios enviando pragas, até que o faraó cedeu e permitiu que os israelitas deixassem o Egito (Êxodo capítulos 7–12). Elias invocou fogo do céu para consumir o sacrifício que ofereceu no Monte Carmelo (1 Reis 18:17–39) e, em outra ocasião, dando mais uma amostra da proteção celeste, para dar cabo das duas companhias de soldados que o ímpio rei Acazias enviara para o capturar (2 Reis capítulo 1). E quando o rei sírio mandou um exército para prender Eliseu, Deus enviou um exército celeste em carruagens de fogo para protegê-lo e temporariamente cegar todos os homens do exército inimigo. (2 Reis 6:8–23).

Essas demonstrações de poder do alto não foram apenas para o benefício de Moisés e seus companheiros hebreus no Egito, ou Elias, Eliseu e os outros envolvidos. A Bíblia diz que “Tudo isto lhes aconteceu como exemplos, e estas coisas estão escritas para aviso nosso, para quem já são chegados os fins dos séculos” (1 Coríntios 10:11).
Se Deus fez essas coisas no passado, por que não as haveria de fazer para proteger aqueles que O amam e servem, no tenebroso período da Grande Tribulação que se aproxima? Parece que Ele as fará, pois está claro que muitos de nós estaremos aqui quando Jesus voltar para nos levar para casa, para o Céu, no arrebatamento, na Sua segunda vinda.
 
“O povo que conhece o seu Deus se tornará forte, e fará proezas” (Daniel 11:32). Jesus tem um interesse especial em cada um de nós porque nos ama e, por isso, Ele e todas as forças do Céu lutarão por nós. O apóstolo Paulo escreveu: “Pois [Jesus] mesmo disse: ‘Não te deixarei, nem te desampararei.’ Assim, com confiança, ousemos dizer: O Senhor é o meu auxílio; não temerei. O que me poderá fazer o homem?’” (Hebreus 13:5–6).
 
Paula Jordem
 David Brandt Berg

Jerusalém, Capital de Israel

A decisão do presidente dos Estados Unidos de assinar o reconhecimento oficial da cidade de  Jerusalém  como a capital de Israel, além ...