terça-feira, 15 de julho de 2014

Como descobrir se uma Teoria da Conspiração é Verdade ou Mentira?


Neste ponto tecnologicamente sofisticado na história da humanidade a possibilidade dos cidadãos comuns monitorarem as instituições de poder e espalhar a conscientização da corrupção é maior do que jamais foi. O cidadão comum tem acesso a impressoras, e-mail, leitores de DVD e uma infinidade de outros pontos de distribuição de informação. Isto tornou-se um grande problema para as instituições de poder. A sociedade de grande vigilância do big borther balança para os dois lados e agora os governos estão tendo um grande problema com o que eles chamam de forma consistente de 'teorias da conspiração".

Com esse novo monitoramento público das instituições de poder surgiram algumas grandes dificuldades:

1 - Pesquisas pobres têm sido amplamente disseminadas em muitos assuntos conspiratórios devido às limitadas habilidades de investigação ou preconceitos pessoais de quem faz a pesquisa.

2 - A disseminação da teoria da conspiração tem desenvolvido uma vantagem comercial; com alguns filmes e livros que estão sendo vendidos por preços mais altos do que seria esperado em grandes lojas de varejo.

3 - Em alguns casos, os indivíduos podem vingativamente fabricar teorias da conspiração para trazer descrédito para algum outro indivíduo, organização ou governo.

4 - Em alguns casos, a divulgação da teoria da conspiração pode ser parte de uma tática de infiltração cognitiva projetada para desacreditar as versões mais convincentes da mesma conspiração, ou para desacreditar teorias conspiratórias em geral. 

5 - Em alguns casos, as teorias da conspiração podem ser secretamente disseminadas por uma instituição do governo ou poder para demonizar outro.

Com estas interações complexas de agendas conflitantes e informacionais, pode-se rapidamente transformar uma teoria da conspiração simples em um vasto quebra-cabeças. No entanto, grande parte das informações podem rapidamente ser desconsideradas se estamos aplicando filtros perceptivos confiáveis.

A seguir está uma lista de filtragem de informação e princípios organizacionais que você pode usar para avaliar qualquer teoria da conspiração apresentada. Eu não vou fazer referência a exemplos específicos de teorias da conspiração porque fazê-lo seria correr o risco de levá-lo indiretamente a acreditar ou desacreditar nelas.

1 - Não faça julgamento na fase de coleta de informações. Se você começar assumindo uma teoria da conspiração como sendo verdadeira ou falsa quando sua informação ainda é mínima, então sua busca de informação será tendenciosa. Você estará provavelmente  ignorando fatos que não correspondem com o julgamento que você fez. Não importa quão absurda ou convincente for a teoria, comece com uma atitude de que a teoria poderá ficar em qualquer lugar desde totalmente verdadeira à completamente falsa.

2 - Reúna o máximo de informações que puder. Isso é essencial, e se feito de forma cuidadosa fará o processo de chegar a uma conclusão rápido e fácil. Se a sua conclusão é fraca e incerta, então você provavelmente não reuniu informações suficientes. Geralmente, a coleta de informações será a fase mais demorada  da sua pesquisa.

3 - Verifique duas vezes cada detalhe. A menor deturpação de uma matéria através da escolha de palavras ou uma ligeira variação em datas podem alterar completamente a validade de uma teoria da conspiração.

4 - Use várias fontes, de preferência independentes. Às vezes, um detalhe em particular pode parecer conclusivo com base em uma única fonte, mas explorar outras versões desse mesmo detalhe de diferentes fontes revelará variações importantes. Se você achar a consistência de detalhes a partir de fontes não relacionadas, um factoide em particular pode ser considerado conclusivo o suficiente.

5 - Exclua repetições da mesma informação. Regurgitações de informação não estão limitadas apenas aos boatos verbais, salas de bate-papos e blogs da internet. Elas são muito frequentes também na mídia em que os repórteres muitas vezes salvam-se de um monte de trabalho, copiando e reformulando histórias que já estão sendo cobertas por fontes de mídia rivais. Um dos perigos de segunda e terceira mão da informação é que aqueles que repetem a informação, muitas vezes, alteraram a sua apresentação - em outras palavras eles a distorcem (embora às vezes eles podem fazer isso para o melhor através da referência cruzada da informação com os contextos que a fonte original negligenciou). Sempre que possível tente chegar à fonte da informação original.

6 - Preste atenção igual em apoiadores e céticos da teoria, independentemente de seus traços de caráter. Pessoas sensatas, inteligentes e bem-ajustadas, por vezes, estão incorretas em seus fatos errados ao mesmo tempo em que as pessoas que parecem ser desorganizadas e impulsivas, às vezes, estão corretas em relação aos seus fatos. Se um esquizofrênico testemunha um acidente de carro real, e lhe diz sobre o fato de que ele é esquizofrênico, não desacredite a sua teoria de que "um acidente de carro ocorreu". Todas as afirmações devem ser consideradas e investigadas dentro da possibilidade de que elas podem ser verdadeiras ou falsas.

7 - Fonte confiável não existe. O termo "fonte confiável" é geralmente usado para se referir aos pesquisadores acadêmicos/instituições, organizações não governamentais e "respeitáveis" fontes de mídia. Nós usamos geralmente o filtro"fonte confiável" para evitar a duplicação de verificação de afirmações, porque, basicamente, nos poupa tempo e esforço. Mas ao investigar um crime ou teoria da conspiração esse luxo de assumir de que algo é verdadeiro baseado em nossa confiança pessoal em uma fonte é imprudente. Há muitos exemplos históricos em que os investigadores de renome e até mesmo todos os impérios acadêmicos e da mídia estavam severamente incorretos em relação aos seus fatos. E nesses contextos, o filtro "fonte confiável"  pode prevenir a correção do conhecimento em massa por muitos anos...
Fontes:
- Disinformation: How Do I Find Out If a Specific Conspiracy Theory Is or Isn’t True?
- Collative Learning: How to make sense of conspiracy theories

Nenhum comentário:

Os Direitos Humanos na perspectiva bíblica

Temos que reconhecer a dificuldade em definir exatamente o que são os direitos humanos. Alguns poderiam assumir que a noção de “direi...