quinta-feira, 24 de julho de 2014

Inversão dos Pólos magnéticos da Terra

Creio que esse artigo parecerá com mais uma daquelas teorias da conspiração ou roteiro de filme apocalíptico, portanto, antes de um julgamento ser realizado, é necessário que você leia por completo o texto para obter uma visão científica e não alarmista do que está sendo dito.

O campo magnético da Terra, que protege o planeta das enormes explosões de radiação solar mortal, enfraqueceu muito ao longo dos últimos seis meses, de acordo com dados coletados por um conjunto de satélites da Agência Espacial Europeia (ESA) chamado Swarm.



Os maiores pontos fracos do campo magnético – que se estende por 600.000 quilômetros acima da superfície do planeta – têm surgido sobre o Ocidente, enquanto que o campo tem reforçado e aumentado a sua intensidade em algumas áreas como o sul do Oceano Índico, de acordo com os magnetômetros a bordo do Enxame de satélites – três satélites separados trabalhando em conjunto.

Os cientistas que conduziram o estudo ainda estão em dúvida sobre o porque de o campo magnético está se enfraquecendo, mas uma razão provável é que os pólos magnéticos da Terra estão se preparando para inverterem, disse Rune Floberghagen, Swarm gerente da missão da ESA. Na verdade, os dados sugerem que o norte magnético está se movendo em direção a Sibéria ( Rússia ).

Não é motivo de um alerta instantâneo, pois levaria algumas centenas, se não uns poucos milhares de anos”, disse Floberghagen na conferência do Ciência Viva (Dinamarca).

Os cientistas já sabem que mudanças estão ocorrendo no norte magnético . Uma vez a cada poucas centenas de milhares anos, os pólos magnéticos invertem. Embora as alterações na intensidade do campo magnético são parte deste ciclo de inversão normal, os dados de Swarm demonstraram que o campo começou a enfraquecer mais rapidamente do que no passado. Anteriormente, os pesquisadores estimaram o campo estava enfraquecendo cerca de 5% por século, mas os novos dados revelaram que ele realmente está enfraquecendo 5% a cada década, ou 10 vezes mais rápido do que se pensava. Como tal, em vez de um processo completo que ocorre em cerca de 2000 anos, como foi previsto, os novos dados sugerem que este poderia acontecer mais cedo.



Ainda assim, não há nenhuma evidência de que um campo magnético enfraquecido resultaria em uma espécie de “juízo final” para a terra. Durante as últimas inversões de polaridade não houve extinções em massa ou evidência de danos pela radiação. Pesquisadores acreditam que só as redes de energia e sistemas de comunicação podem estar em risco.

O campo magnético da Terra atua como uma bolha gigante invisível que protege o planeta da radiação cósmica e do perigoso vento solar. O campo existe porque a Terra tem uma núcleo gigante de ferro rodeado por uma camada externa de metal fundido. As alterações das temperaturas do núcleo e a rotação da Terra agita o metal líquido em torno do núcleo externo, criando as linhas do campo magnético.

O movimento do metal varia em certas partes internas, por esse motivo que algumas áreas do campo magnético fortalecem enquanto outras enfraquecem, disse Florberghagen. Quando o ponto de ebulição em uma área do núcleo externo diminui, menos correntes de partículas carregadas são libertadas, então o campo magnético sobre a superfície enfraquece.

“O fluxo do núcleo externo líquido puxa o campo magnético ao redor com ele”, disse Floberghagen. “Então, um enfraquecimento de campo sobre o continente americano significaria que o fluxo no núcleo externo abaixo da América está mais frio.”

Os satélites Swarm não só captam os sinais provenientes do campo magnético da Terra, como também a partir de seu núcleo, manto, crosta e dos oceanos. Cientistas da ESA esperam usar os dados para fazer sistemas de navegação que contam com o campo magnético, tais como instrumentos de aeronaves, mais precisos, melhorar as previsões de terremotos e identificar áreas abaixo da superfície do planeta que são ricos em recursos naturais. Os cientistas pensam que as flutuações do campo magnético poderiam ajudar a identificar para onde as placas continentais estão se movimentando, isso ajudaria a prever terremotos.

Estes primeiros resultados de foram apresentados no Terceiro Encontro da Ciência em Swarm na Dinamarca em 19 de junho.

Postado Por: Marcos Paulo Goes Data: 15:33 
Fonte: Livescience
Via: http://climatologiageografica.com

Nenhum comentário:

Jerusalém, Capital de Israel

A decisão do presidente dos Estados Unidos de assinar o reconhecimento oficial da cidade de  Jerusalém  como a capital de Israel, além ...