sexta-feira, 7 de outubro de 2016

O cansaço da alma


Sentiu-se cansado alguma vez, chegando a pensar em desistir de tudo e ir a um lugar distante, onde pudesse recomeçar a vida do zero? Pois é, esta sensação advém da desmotivação de continuar percorrendo o ciclo das rotinas diárias, cuja finalidade, por vezes, parece não haver sentido. 

Em geral, o cansaço emocional é o resultado inevitável de esforços pessoais prolongados; de sucessivas frustrações no trabalho, nos estudos e até mesmo na família; de eventos combinados que parecem conspirar contra a nossa paz; de sofrimentos internos contidos pelo medo das reações que as pessoas terão; etc. Nestes casos, pouco a pouco, percebemos uma baixa gradativa na disposição e na alegria que antes nos levava a superação das dificuldades com bravura e destemor. 

Estas experiências não podem ser subestimadas, especialmente porque drenam nossa vitalidade espiritual, tornando-nos inconstantes ou indiferentes em relação a Deus, leitura da Bíblia, oração, serviço cristão, contribuição e participação nas atividades da Igreja.

Na Bíblia encontramos o registro de diversos personagens que viveram situações de esgotamento, demonstrando quão profundas eram suas limitações, fraquezas e miséria. É o caso do autor, por exemplo, relatado no Salmo 42, entre os filhos de Coré (Êx 6:24; 1 Cr 6:31-37). A sua alma estava abatida (v. 5, 6 e 11) por causa da opressão dos seus inimigos que insultavam sua fé (v. 3, 9-10) e tudo isto afetou sua vida espiritual. Ele se angustiou entre o sentimento de ausência da presença de Deus e a convicção de estar nela. Perguntou: “quando irei e me verei perante a face de Deus?” (v. 2), depois: “Contudo, o Senhor, durante o dia, me concede a sua misericórdia, e à noite comigo está o seu cântico, uma oração ao Deus da minha vida” (v. 8). É claro que as contingências da vida impactam nossas disposições e percepções. E não estamos imunes às aflições espirituais resultantes delas. 

Como poderíamos reagir em meio ao cansaço emocional? 

Salmo 42 diz que o autor desejou a presença de Deus (v. 1-2), expôs as suas angústias em lágrimas (v. 3), se lembrou das boas experiências vividas (v. 4 e 6), esperou pela resposta ao seu sofrimento (v. 5 e 11) e contou com a misericórdia de Deus em oração (v. 7-10). Além destas experiências, atentemos para as lições que emergem somente das circunstâncias de aflição, para nos tornar mais pacientes e sábios, desenvolvendo em nós resistência emocional e maturidade para entender e auxiliar outros. Lembremo-nos, também, que nunca estamos sozinhos nestas angústias. Homens e mulheres santas do passado passaram por situações semelhantes e até mais intensas que as nossas. 

Se ainda não conseguimos enxergar uma solução em curto prazo, não desistamos, pelo contrário, esperemos, como o salmista fez entre tantas perguntas sem resposta (sete ao todo), pois Deus ainda quer agir em nós exatamente nestes momentos, transformando fraquezas em forças, dúvidas em convicções, tristezas em alegrias, frustrações em benefícios que nos acompanharão por toda a vida!

Vinde a mim, todos os que estai cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei.   Mateus 11:28

lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós.    Pedro 5:7


Nenhum comentário:

O que é o Congresso Brasil Paralelo?

Brasil Paralelo  é um  sítio eletrônico   brasileiro  de conteúdo independente, cuja  linha editorial  é alinhada ao  liberalismo eco...